BLOCO TOPONOTÍCIASSAÚDE

Tratamento brasileiro contra HIV/Aids se consolida como referência mundial

Cerca de 585 mil pessoas que vivem com o vírus HIV no País realizam a terapia antirretroviral em unidades da rede pública de saúde. Esses pacientes encontram nesses locais uma realidade bem diferente daquela enfrentada na década de 1980, quando começaram a surgir os casos da doença no Brasil.

 Embora a primeira manifestação da Aids em um brasileiro tenha sido confirmada em 1982, apenas em 1987 o medicamento AZT começou a ser utilizado pelos pacientes porque ajudava a evitar o enfraquecimento do sistema imunológico. O remédio, que inicialmente havia sido criado para combater células cancerígenas, se tornou o principal aliado dos soropositivos.

No entanto, as altas doses recomendadas causavam muitos efeitos colaterais. “De 1987 até 1995, a gente fazia o tratamento baseado em uma única droga [o AZT]. Isso não foi suficiente para reduzir a mortalidade por Aids. O medicamento prolongava a vida dos pacientes, mas infelizmente não conseguia controlar o vírus”, explica Roberta Schiavon, membro do Comitê de HIV/Aids da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). 

Foi só em 1996, com o Sistema Único de Saúde (SUS) já consolidado, que o Brasil estabeleceu de vez o chamado coquetel, que reúne três tipos de medicamentos. No mesmo ano, a Lei 9.313 determinou a distribuição gratuita de medicamentos aos portadores de HIV 
Na década seguinte, o foco passou a ser a produção interna das medicações para reduzir os custos. Em 2002, a Fundação Oswaldo Cruz começou a produzir sete antirretrovirais que são utilizados até hoje.  

Com agem os antiretrovirais?

Os medicamentos antirretrovirais para o HIV atuam no mecanismo de multiplicação do vírus, evitando que ele infecte as células de defesa do organismo. Desta forma, impede-se o enfraquecimento do sistema imunológico da pessoa e o seu adoecimento.

É por esse motivo que o uso regular dos medicamentos é imprescindível para aumentar o tempo e a qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV e reduzir o número de internações e infecções por doenças oportunistas. As pessoas que usam os medicamentos de forma correta e adequada reduzem o número de vírus circulante a níveis indetectáveis no organismo.

Nesse estado, evidências científicas demonstram que além da melhora significativa na qualidade de vida e do não adoecimento, a condição de se estar indetectável impede a transmissão do HIV por via sexual. Tratamento para todos  Atualmente, o tratamento para o HIV envolve a combinação de três categorias diferentes de medicamentos e cada uma dessas categorias envolve um número de medicamentos. 

São mais de 36 combinações diferentes aplicadas hoje em dia. A variedade de opções se dá pela necessidade de adequar o tratamento ao estilo de vida do paciente. “Para um piloto de avião, por exemplo, não é recomendado dar medicação baseada no Efavirenz, pois ele pode ter um surto psicótico durante o trabalho. Um técnico de enfermagem que trabalha à noite pode ficar com sono e ter o desempenho comprometido.

Grávidas também têm restrições e precisam de atenção especial”, diz Schiavon.  Desde 2013, todas as pessoas com o HIV, independentemente da carga viral têm acesso ao tratamento pelo SUS. “A garantia de tratamento para todos já reduziu em 16% os casos de Aids nos últimos quatro anos, fazendo cair a taxa de detecção de 22 casos para cada 100 mil habitantes, em 2011, para 18,3 em 2017”, explica a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, Adele Benzaken. 

Antes, o Brasil oferecia o tratamento pela rede pública apenas quando a contagem das células de defesa (CD4) do paciente caía para abaixo do patamar de 500 células por milímetro cúbico de sangue. A mudança foi elogiada pela Organização das Nações Unidas e manteve o Brasil como referência no tratamento de pacientes soropositivos. O uso regular dos ARV é fundamental para aumentar o tempo e a qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV e reduzir o número de internações e infecções por doenças oportunistas.

Inovação 

A novidade mais recente no tratamento oferecido pelo SUS em relação ao HIV ocorreu em 2017. No ano passado, a rede pública passou a ofertar um dos melhores antirretrovirais do mundo: o Dolutegravir. Ele já é usado por 87% das pessoas que iniciam o tratamento no Brasil.

Esse antirretroviral aumenta em 42% a chance de indetecção viral (carga viral indetectável). Após três meses de uso do Dolutegravir, 87% das pessoas com HIV/Aids já apresentavam carga viral inferior a 50 cópias/mL. Ele é usado em combinação com os antirretrovirais Tenofovir e Lamivudini no esquema chamado “2 em”. Ou seja, apesar de serem três compostos, estão presentes em dois comprimidos, sendo um de Dolutegravir e outro formado por Lamivudina + Tenofovir. (Fontes: Governo do Brasil, com informações do Ministério da Saúde)

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 + sete =

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar